0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

O ato de ir ao fórum e perder quantidades preciosas de tempo e paciência vai ficando cada vez mais no passado. Graças à rede mundial de computadores, fica gradativamente mais fácil ter novos modos de acesso às moções de processos judiciais que correm pelo país. Uma delas, a mais utilizada hoje, é a chamada “consulta processual”, que permite o acesso da situação do processo por qualquer cidadão interessado.

Pode se pesquisar qualquer tipo de causa, mas tomemos como exemplo uma ação criminal, movida pelo estado contra alguém.

Como consultar um Processo Judicial

As pesquisas de processo judicial online estão disponíveis em diversos sites dos Tribunais de Justiça. Como cada TJ cuida das comarcas dentro do seu estado, é importante saber qual unidade da  federação a ação está instalada. Se o processo criminal, por exemplo, for criado pelo  estado de Minas Gerais, é a partir do site do Tribunal de Justiça deste (www.tjmg.jus.br) que serão disponibilizadas as informações processuais.

A pesquisa foi pensada de forma a descomplicar ainda mais o sistema de busca. Para isso, bastam apenas um dos seguintes dados: número do processo judicial de acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ou da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); pelo nome do advogado ou mesmo pelo nome das partes já é possível encontrar a página relativa à moção.

Processo Judicial – Arquivos

Consulta de Processo JudicialO arquivo não se encontra completo na internet – ocuparia tanto espaço virtual quanto ocupa nas prateleiras e fóruns Brasil afora.  Mas as informações essenciais sobre ele estarão disponíveis nas telas de tablets, celulares e computadores: os nomes dos advogados representando cada parte; a comarca e a localização do arquivo original; o juiz designado para a causa – dependendo do estado, até uma breve síntese do litígio. E, óbvio, os principais movimentos do processo judicial estão discriminados nesta página.

Por isso, quando você precisar acompanhar de perto alguma ação judicial, já sabe: o melhor caminho, para evitar sufocos e andanças, é optar pela consulta virtual. Mais que um dever do estado, o acesso livre às informações é um direito do cidadão.